Dei nó

dei-no
Me deu vontade, sei lá,
mas não apostei
É que cheguei agora de tanto tempo,
esqueci dos espaços, dos verbos e dos silêncios
Desaprendi poemizar
Gastei um tanto do tanto de pouco que tinha
apontando o mal, desafiando a heresia
que, quando me sentei pra colorir, rasguei
errei a mão, passei do ponto
Dei nó cego na poesia
Mas eu vou voltar a tentar
Anúncios

Deixa um comentário para a posteridade

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s