O dia em que me aceitei fotógrafo

READ IT IN ENGLISH

pablo_021_Chuva_de_Poesia_Iris_Zanetti

Esse aí sou eu fotografando uma Chuva de Poesia durante o Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana em 2013. | FOTO: Íris Zanetti (editada)

Pois é, isso foi ontem. Eu tomava banho e pensava nuns projetos fotográficos quando ouvi o click no meu cérebro.
Há uns três anos eu vinha clicando o mundo e me perguntando quando me tornaria um fotógrafo de verdade. Já tive até algumas conversas com uns amigos sobre isso. Me lembro de uma vez em que eu e uma colega trocávamos ideias no lobby da universidade quando, no momento em que me justifiquei por não me intitular fotógrafo, levei um sermão:
– Como assim? Você não é fotógrafo por isso?
Ela seguiu argumentando porque eu deveria me considerar fotógrafo, mas eu era rígido em minha convicção:
– Eu não tenho uma câmera fotográfica profissional, não trabalho e nem ganho dinheiro com fotografia. Eu não sou bom o suficiente. Eu não sou fotógrafo.
E esse era o discurso decorado que eu recitava a todos que me questionavam a respeito. Até ontem.
Ontem, eu aceitei minha condição.
Enquanto eu planejava novas fotografias no banho, comecei a pensar de novo em quando eu me tornaria um fotógrafo. Mas dessa vez, ao invés de pensar no que me faria um fotógrafo, comecei a pensar no que não me permitia sê-lo. E foi aí que minha mente fez o tal click.
Primeiro, eu fui pro lado capitalista da coisa:
Por que diabos eu só seria um fotógrafo quando tivesse uma câmera? O ser fotógrafo vem na embalagem quando a gente compra uma? – Se sim, qual ser fotógrafo do kit é melhor: o da Canon ou o da Nikon? – Ou por que eu precisaria ganhar dinheiro com minhas fotos – coisa que eu já até fiz – pra ser um fotógrafo?
E daí eu percebi que a ideia de que eu não seria um fotógrafo por não ter câmera e por não ganhar dinheiro com fotografia era só o resultado de uma puta sacanagem que fizeram comigo – a mesma que fazem com todo mundo: te fazer acreditar que você é o que você faz por dinheiro.
Depois, eu fui lá ver se conseguia me resolver com uma questão de juízo de valor e autoestima:
Quão bom eu precisaria ser? Quero dizer, seria necessário chegar ao ponto de dizer “minhas fotos são tão boas que eu sou um fotógrafo” pra me tornar um? Ser fotógrafo é isso?
E então eu vi que, seguindo esse raciocínio, das duas, uma:
Ou eu nunca seria um fotógrafo – principalmente colocando fotos do Sebastião Salgado como plano de fundo da minha tela e comparando-as o tempo todo com aqueles troços que eu fazia sair das câmeras fotográficas. Ou eu nunca seria um bom fotógrafo – já que, quando eu me considerasse um, eu também me consideraria bom o suficiente e isso me estagnaria.
Basicamente, foi isso que me aconteceu ontem. Naquele click, foi como se eu tivesse respondido a tudo isso e resolvido a questão. Como num disparo do obturador, a luz entrou na caixa escura que a minha mente se torna às vezes.
Tudo bem. Eu ainda não tenho meu equipamento. Eu ainda não ganho a vida com fotografia. E não sou bom como Elliot Erwitt, Eugene Smith, Araquém Alcântara, meu parceiro Gentilly Costa com seus PBs fantásticos¹ ou minha colega no Festival Íris Zanetti, autora da foto² desse post. Eu só comecei a aprender a escrever com a luz e falar através disso. Eu só gosto de contar historinhas com imagens. Mas foi assim, percebendo que minhas justificativas eram estúpidas, que eu me aceitei.
Inevitavelmente, eu sou fotógrafo.
________________________________________
Ah, e além de não ter câmera e dinheiro, eu não tenho um site, nem um Flickr sequer. Mas você pode me seguir no Instagram. Clica aqui Instagram.
________________________________________

¹ Dê uma olhada nalguns dos PBs do Tilly aqui, entre outras grandes imagens em cor.
² Essa do post não é a foto original. Eu a editei pra funcionar melhor no blog. A original tá aqui.

 

Anúncios

2 Respostas para “O dia em que me aceitei fotógrafo

  1. Bacana sua reflexão. Também me questionei sobre isso várias vezes. Mas o lance é que a fotografia além de uma criação, uma arte, é também uma técnica. E querendo ou não, quando se garante o sustento tirando fotos, você acaba aprimorando essa técnica pela prática constante, o que o leva a transcedende-la. Pois é muito difícil fazer a mesma coisa e ainda conseguir extrair algo de novo ali, sem cair na mesmice. Por isso que tanto se diz que um fotografo é aquele que vive disso, ou faz-se dinheiro com isso. É uma questão que depende de como você encara: Pode ser só pelo dinheiro, ou pela melhoria e pesquisa constante praticando a técnica e o criativo. Esses caras que você citou eles não são bons a toa. É pq praticam exaustivamente, e isso, naturalmente tornou-se o sustento deles.

    Por isso, me declaro artista, que explora a fotografia como técnica. Até prefiro, pois muitas vezes quando você diz que é fotógrafo logo te pedem um orçamento para casamentos e eventos. Coisas que eu não curto fotografar.

    • Entendo seu ponto, cara. Mas mesmo artistas muitas vezes só são considerados assim quando fazem dinheiro. É que a fotografia tem essa coisa de ser praticada como negócio por uns e arte por outros de forma bem explícita. E existe outros modos de fazer fotografia, como o fotojornalismo, que não é necessariamente negócio nem arte. No entanto, todos são fotógrafos independente se ganham dinheiro ou não.

      Além disso, não é porque não ganho grana com a fotografia que eu não me aprimoro. Pensar que o mercado faz o fotógrafo é subjugar, de novo, a fotografia ao capitalismo. Grandes fotógrafos tinham outras profissões antes ou durante o trabalho com a fotografia. Salgado era economista, por exemplo, e foi numa viagem de trabalho que “descobriu” a fotografia.

      Também pense nisso como a beleza da coisa. Se um dia você se disser fotógrafo e te pedirem um orçamento, você pode falar sobre isso. Dizer “olha, eu sou fotógrafo, mas não faço esse trabalho”. Como nem todo poeta escreve por encomenda.

Deixa um comentário para a posteridade

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s